Entidades de apoio à causa câncer se unem para o lançamento do ‘Outubro Rosa’ no Amazonas

/, Notícias/Entidades de apoio à causa câncer se unem para o lançamento do ‘Outubro Rosa’ no Amazonas

Entidades de apoio à causa câncer se unem para o lançamento do ‘Outubro Rosa’ no Amazonas

Com o tema ‘Compartilhe Sua Luta’, as ONGs Rede Feminina de Combate ao Câncer do Amazonas (RFCC-AM) e Centro de Integração Amigas da Mama (Ciam), realizam, no próximo dia 1o, a partir das 17h30, a abertura do Movimento Mundial Outubro Rosa, no Amazonas. O evento acontecerá na sede da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), na rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, zona Centro-Oeste, com a presença de autoridades e membros de movimentos sociais convidados. Na ocasião, o prédio da entidade será iluminado com a cor rosa, símbolo maior da campanha de luta contra o câncer de mama.

Também participarão da abertura os artistas regionais Lili Andrade, Dulce Lima e Rosangela Costa; os músicos Bernardo Lameiras, Severino Filho e Domingos Sábio e a Banda do Comando Militar da Amazônia (CMA), todos voluntários.

O que é o Outubro Rosa?

O Outubro Rosa é um movimento criado na década de 90, nos Estados Unidos, para chamar a atenção da população para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, o mais incidente entre as mulheres no Brasil e no mundo. No Brasil, a campanha é coordenada pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), à qual estão filiados o Ciam e a RFCC-AM.

Segundo a presidente da Rede Feminina, enfermeira oncológica Marília Muniz, no Amazonas, há alguns anos, a campanha também aborda a prevenção ao câncer de colo uterino, o tipo da doença que apresenta o maior número de diagnóstico entre as mulheres no Estado e também o que mais mata.

Ela reforça a máxima de que a prevenção pode salvar vidas e explica que sensibilizar as mulheres sobre a necessidade de se realizar o exame preventivo (Papanicolau), a partir do início da vida sexual, para detectar o mais cedo possível eventuais lesões pré-cancerosas, pode evitar o desenvolvimento desse tipo de câncer, através do tratamento adequado. Muniz também destaca que ações governamentais, como a vacinação contra o HPV, principal agente causador do câncer de colo de útero, também ajudam a reforçar a Política de Atenção Oncológica. “No futuro, vamos colher os frutos dessas ações, com a redução do número de casos da doença e, principalmente, da mortalidade”, destacou.

O diretor-presidente da Lacc, mastologista Jesus Pinheiro, chama a atenção para um outro fator, que está diretamente ligado à saúde da mulher: a realização anual do exame de mamografia, a partir dos 40 anos, conforme recomenda a Sociedade Brasileira de Mastologia. Ele explica que o exame pode diagnosticar o câncer ainda na fase inicial, o que aumenta significativamente as chances de um tratamento preservador e potencializa as possibilidades de cura. “Sempre é bom lembrar que mulheres com histórico de câncer na família, devem iniciar o exame de rastreio aos 35 anos”, destacou.

Diagnósticos e mortalidade

O Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão subordinado ao Ministério da Saúde (MS), aponta que o Amazonas deve chegar a 1.260 novos casos de câncer dos dois tipos, sendo 840 de colo uterino e 420 de mama.

Dados da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), disponibilizados pelo e-siga, Sistema de Informações Governamentais do Amazonas, mostram que foram registrados, só neste ano, 60 mortes por câncer de mama e outras 90 por câncer de colo uterino, números considerados altos por especialistas. A unidade de saúde é referência em cancerologia na Amazônia Ocidental

2018-09-24T14:40:12+00:00setembro 24, 2018|Lacc na Mídia, Notícias|0 Comentários

Deixar Um Comentário