Com a chegada do Outubro Rosa, movimento mundial que alerta sobre a importância do rastreio e detecção precoce do câncer de mama, doença que soma cerca de 900 casos a cada biênio no Amazonas, a Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) reforça que o exame de mamografia, considerado altamente eficaz na localização de lesões suspeitas, deve ser feito por mulheres com 40 anos ou mais, anualmente. Para mulheres com histórico de câncer desse tipo na família, o rastreio deve ser iniciado aos 30 anos, por conta do fator hereditário, explica o mastologista e presidente da ONG, médico mastologista Jesus Pinheiro.

A campanha Outubro Rosa foi lançada no Amazonas na última sexta-feira, 30, em frente ao prédio da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon), no Dom Pedro, zona Centro-Oeste de Manaus. A unidade é considerada referência no diagnóstico e tratamento do câncer na Amazônia Ocidental.


Pinheiro reforça que a mamografia garante um diagnóstico precoce do câncer de mama, elevando as chances de cura durante o tratamento, uma vez que, quanto mais cedo a doença é descoberta, maiores são as possibilidades de sucesso terapêutico. Ele também reforça que, mulheres inseridas no grupo de alto risco, como aquelas cuja mãe, avó ou irmã desenvolveram o câncer de mama, precisam passar por acompanhamento periódico de um mastologista e devem redobrar a atenção, em função do fator hereditário.

Sobre a realização da mamografia em meninas adolescentes, o médico destaca que há restrições. “Apesar de ser um exame eficaz do ponto de vista da detecção das alterações da mama, a mamografia não deve ser realizada em adolescentes e mulheres jovens, a não ser que haja recomendação médica”, frisou.

Saúde integral da mulher

De acordo com Jesus Pinheiro, mudanças recentes na legislação irão garantir à população feminina maior acesso a exames, antes liberados apenas para mulheres com 40 anos ou mais. Uma nota publicada em junho deste ano, pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), da qual o médico é membro, destaca que a Lei Federal nº 14.335, sancionada em 10 maio de 2022, com prazo para passar a valer de 180 dias, amplia a prevenção, a detecção e o tratamento dos cânceres de colo uterino, de mama e colorretal em mulheres – este último antes não oferecido na lista de procedimentos preventivos do SUS.


A Lei prevê que mulheres a partir da puberdade terão direito a fazer os exames de mamografia, citopatologia e colonoscopia pelo Sistema Único de Saúde (SUS), procedimentos antes liberados apenas para mulheres com idade a partir de 40 anos. Além disso, o texto amplia o rol de procedimentos ofertados para diagnóstico dos cânceres e deixa de fazer referência apenas aos exames citopatológicos e mamográficos.
 
Jesus Pinheiro explica que a Lei, que dispõe sobre a atenção integral à mulher na prevenção dos cânceres do colo uterino, de mama e colorretal, é um avanço que ajudará a reduzir a mortalidade de mulheres em todo o território brasileiro. “Agora, a luta será pela conscientização dessas mulheres sobre seus direitos e sobre a importância de se realizar esses exames, não só o de mamografia. A saúde da mulher tem ganhado os holofotes nos últimos anos, com o crescimento do Outubro Rosa. Mas, grande parte só se atenta à importância do rastreio, neste período do ano”, explica.

Outubro Rosa

O Outubro Rosa é considerado uma das principais campanhas de combate ao câncer no mundo. Criado na década de 90, nos Estados Unidos, o movimento alerta para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, o mais incidente entre as mulheres no Brasil e no mundo. No Amazonas, a campanha é coordenada pela Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC-AM), com o apoio da Lacc, ONG que atua há mais de 60 ano no Amazonas.

 
O movimento é caracterizado pela iluminação de prédios públicos e privados com a cor rosa, símbolo da luta contra o câncer de mama no mundo. Durante a campanha, instituições de saúde reforçam as ações de rastreio, com a promoção de mutirões e atividades educativas voltadas ao público feminino. A Lacc participa ativamente do cronograma educativo, além de prestar apoio às mulheres com câncer no Estado, através de seus programas sociais. Para doar à entidade, basta acessar www.laccam.org.br ou ligar para (92) 2101-4900 e 984845436 e tornar-se um doador.